Fraudes na Internet com cartões de crédito são cada vez mais comuns. Facilmente se podem encontrar geradores de cartões de crédito, com todas as bandeiras possíveis, com apenas um clique do mouse. Eles informam o nome de um banco, um estado e uma data de nascimento qualquer.

Quando se acessa a internet, é atribuído um número de ip ao computador, que é o número que identifica o computador na rede (exemplo: 200.200.200.200). Este número varia de um PC a outro. Existe também o provedor da conexão, um exemplo fictício é: line04.bola.com.br

Vamos supor que uma pessoa use um gerador de cartão de crédito, entre num site pago usando esse cartão falso. Quando os donos do site forem conferir o dinheiro verão que o número do cartão é falso, darão uma olhada nos registros que guardam informações dos usuários, chamados de logs, pegarão o número do computador utilizado e o número do provedor de acesso e pronto, a fraude está detectada.

Existem programas que mudam o nome do provedor e o ip da máquina, enganando o site acessado, mas aí já é outra estória…

Os cartões de crédito costumam responsabilizar os consumidores pelo mau uso, no caso do cartão de crédito ser roubado. Porém se analisarmos o Código de Defesa do Consumidor, veremos que essa prática é ilegal, pois o fornecedor também é responsável ao aceitar o pagamento de produtos com o cartão e cuidados devem ser adotados.

Se algo errado acontecer, ligue imediatamente para a administradora do cartão e anote o nome da pessoa que o atendeu, número do protocolo e a hora que a ligação foi feita.